NOTÍCIAS

Grupo MAPFRE regista aumento de receitas no primeiro semestre do ano

Grupo MAPFRE regista aumento de receitas no primeiro semestre do ano

Valores Chave do Semestre

  • Os prémios cresceram 3,3 por cento, superando 12.175 milhões de euros. Descontando o efeito da não consolidação do CatalunyaCaixa, o crescimento dos prémios seria de 5,7 por cento e as receitas registariam um aumento na casa de 8,5 por cento.
  • Em seguros de Não Vida, a MAPFRE cresceu nos principais mercados estratégicos para o Grupo: Espanha, Estados Unidos, Turquia e México.
  • A economia administrada aumentou 1,7 por cento, chegando a 37.718 milhões; as provisões técnicas de Vida aumentaram 3,2 por cento;
  • Os ativos totais aumentaram 11,9 por cento, chegando a 67.757 milhões de euros; os fundos próprios cresceram 2,8 por cento, chegando a 8.721 milhões.
  • As operações da Direct Line em Itália e na Alemanha estão a ser consolidadas nas contas, contribuindo com mais de 58 milhões em prémios.

No primeiro semestre deste ano, as receitas da MAPFRE tiveram um aumento de 5,8 por cento, chegando a 14.519 milhões de euros. Os prémios cresceram 3,3 por cento, chegando a 12.175 milhões de euros.

No período em análise, destacaram-se, na maioria dos mercados estratégicos (Espanha, Estados Unidos, Turquia e México), os ramos Não Vida, bem como o resseguro. Adicionalmente, as operações da Direct Line em Itália e na Alemanha estão a ser consolidadas nas contas, contribuindo com mais de 58 milhões em prémios. Com exceção do efeito da não consolidação do CatalunyaCaixa, no primeiro semestre do ano, as receitas teriam crescido 8,5 por cento e os prémios aproximadamente 5,7 por cento.

O lucro antes dos impostos atingiu 814 milhões de euros (-13,5 por cento) e o lucro líquido ficou posicionado em 316 milhões, 31 por cento a menos, afetado, entre outros, por sinistralidades muito elevadas nos Estados Unidos e taxas tributárias mais altas em alguns países, como o Brasil e a Colômbia.

“Estes fatores extraordinários registados no primeiro semestre não influem sobre a nossa capacidade de geração de negócios rentáveis. No segundo semestre haverá uma grande melhoria e temos a certeza de que os resultados obtidos no ano passado serão superados. Além das melhorias previstas dos negócios, temos ainda os importantíssimos ganhos de capital gerados pela venda do CatalunyaCaixa”, apontou o Presidente da MAPFRE, Antonio Huertas.

Os ativos totais tiveram 11,9 por cento de aumento, chegando a 67.757 milhões. Os fundos próprios ficaram posicionados em 8.721 milhões, representando um aumento de 2,8 por cento.
Evolução do Negócio

A Unidade de Seguros obteve prémios de 9.994 milhões (+ 3,7 por cento) e lucros de 754 milhões de euros (- 11,5 por cento) antes de impostos. A Unidade de Resseguros, cujos prémios representam 15,7 por cento do total, teve, por sua vez, um aumento de 8 por cento nos prémios, atingindo 2.036 milhões de euros; o lucro antes de impostos teve um crescimento de 6,5 por cento, chegando a 100 milhões de euros. A Unidade de Riscos Globais, registou, por sua parte, um volume de prémios na casa de 597 milhões de euros (+ 5,1 por cento) e o seu lucro antes dos impostos subiu para 41 milhões de euros (+23 por cento), enquanto a receita da Unidade de Assistência, Serviços e Riscos Especiais ficou situada em 635 milhões de euros (+ 11,8 por cento) e os seus lucros antes dos impostos cresceram para 7 milhões de euros (- 65,5 por cento).

Área Regional Ibéria

Os prémios da Área Regional Ibéria, que representam 28,5 por cento do total, cresceram para 3.706 milhões de euros (8 por cento a menos, não levando em consideração a contribuição do CatalunyaCaixa), devido à redução do ramo de seguro de Vida-Poupança marcado pelo cenário desfavorável das taxas de juro. No entanto, os ramos de Não Vida, excetuando o efeito do CatalunyaCaixa, cresceu 2,3 por cento, depois de seis anos e meio de quedas. Esta Área Regional atingiu lucros antes dos impostos na casa dos 290 milhões de euros (-24,5 por cento).

No segmento de Veículos, os prémios ficaram posicionados em 1.019 milhões de euros, 0,6 por cento a menos, enquanto que Saúde registou um aumento de 7,3 por cento (cerca de três pontos a mais do que o mercado), chegando a mais de 456 milhões de euros. Por outro lado, os prémios do ramo de Vida ficaram acima de 868 milhões de euros (-40,5 por cento).

A poupança administrada no primeiro semestre deste ano cresceu 0,6 por cento, atingindo 30.349 milhões de euros. Os fundos de investimento e as carteiras geridas também tiveram um crescimento notável de 12,8 por cento, chegando a aproximadamente 3.800 milhões de euros. O património dos fundos de reforma, por sua vez, cresceu cerca de 10 por cento, não incluindo o efeito do CatalunyaCaixa, superando 4.961 milhões de euros.